Sábado, 23 de Janeiro de 2010
Egas Moniz

 

António Caetano de Abreu Freire Egas Moniz nasceu em Estarreja, na Freguesia de Avanca, no dia 29 de Novembro de 1874.

Formou-se em Medicina na Universidade de Coimbra, onde começou por ser lente substituto, leccionando anatomia e fisiologia. Em 1911 foi transferido para a recém-criada Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa onde ocupou a cátedra de neurologia.
Egas Moniz saiu do Partido Evolucionista para fundar o Partido Republicano Centrista. Apoiou o breve regime de Sidónio Pais, durante o qual exerceu as funções de Embaixador de Portugal, em Madrid em 1917 e de Ministro dos Negócios Estrangeiros em 1918.
Como investigador, contando com a preciosa colaboração de Pedro Almeida Lima, inventou duas técnicas: a leucotomia pré-frontal e a angiografia cerebral. Estas técnicas inovadoras valeram a Egas Moniz o Prémio Nobel de Medicina em 1949, para o qual já tinha sido proposto 5 vezes (1928, 1933, 1937, 1944 e 1949).
Escritor de prestígio, na época deixou obras como A nossa casa e Confidências de um investigador científico.
Egas Moniz morreu no dia 13 de Dezembro de 1955 em Lisboa.


Publicado por CVS às 21:33
| Comenta |

Teófilo Braga

 

 

 

Joaquim Fernandes Teófilo Braga nasceu nasceu a 24 de Fevereiro de 1843 em Ponta Delgada ilha de S.Miguel, nos Açores. Com a morte da mãe começou a trabalhar bastante cedo como tipógrafo. Tirou o curso de Direito na Universidade de Coimbra onde foi contemporâneo do poeta Antero Quental. Doutourou-se em 1868, e publicou estudos sobre literatura como a História da Poesia Popular Portuguesa, o Romanceiro Geral. Em 1872 tornou-se catedrático de Literaturas Modernas. Dedicou-se vários anos ao estudo da doutrina de Comte, tornou-se defensor do Positivismo e publicou vários ensaios e artigos em que desenvolveu as suas teses. Dirigiu também as revistas Positivismo, com Júlio de Matos, e Era Nova, com Teixeira Bastos. Participou na organização do Tricentenário de Camões em 1880, que foi afinal a primeira grande manifestação pública de republicanismo. No mesmo ano, publicou a História das Ideias Republicanas em Portugal. As suas obras e a sua acção política tornaram-no alvo de perseguições, mas apesar disso manteve-se sempre firme na defesa dos seus ideais. Ainda durante a monarquia assumiu os cargos de Vereador da Câmara Municipal de Lisboa e de membro do Directório do Partido Republicano Português, de que era presidente quando se deu a revolução do 5 de Outubro.
Foi escolhido para chefe do governo provisório com funções de presidentesda républica, sendo o seu governo responsável pela escolha da bandeira nacional a 29 de Novembro de 1910 e A Portuguesa como hino nacional. Após a aprovação da Constituição foi deputado e, a 14 de Maio de 1915 foi eleito Presidente da República. Assumiu as funções de Chefe de Estado de forma simples e despretensiosa, retomando as suas actividades de investigador quando concluiu o mandato.
A sua obra constitui uma verdadeira enciclopédia da História da Literatura Portuguesa, pois deixou 360 trabalhos publicados.
Teófilo Braga morreu em Lisboa com 80 anos em 1923.


Publicado por CVS às 21:32
| Comenta |

Afonso Augusto e Costa

 

Afonso Augusto e Costa nasceu em Seia a 6 de Março de 1871. Fez o curso Secundário na Guarda e no Porto e licenciou-se em Direito na Universidade de Coimbra em 1895. Em 1900 foi eleito deputado do Partido Republicano Português, pelo círculo do Porto. Voltou ao Parlamento em 1906, desta vez como deputado por Lisboa onde se distinguiu no combate ás instituições monárquica, e em 1908 envolveu-se na tentativa de revolução, tendo sido preso.

Depois do Regicidio voltou ao Parlamento onde os seus discursos ficaram célebres.
Com a implantação da Repúplica assumiu o cargo de Ministro da Justiça, tendo sido respondável por um importante conjunto de leis como a da Laicização do estado (Separação da Igreja do Estado, as Leis da Família e as do Registo Civil).
Em 1911 foi o líder de uma cisão do Partido Republicano Português, fundando o Partido Democrático e o jornal O Mundo. Assumiu o cargo de Presidente do Ministério em três períodos: de Janeiro de 1913 a Fevereiro de 1914; de Novembro de 1915 a março de 1916 e de Abril de 1917 a Dezembro de 1917.
Em 1914 defendeu a participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial, e em 1917, durante a ditadura de Sidónio Pais foi preso durante 110 dias. Quando saiu exilou-se em Paris e apesar de estar a viver no estrangeiro, foi nomeado presidente da delegação portuguesa na Conferência de Paz de Versalhes e mais tarde presidente da delegação portuguesa junto da Sociedade das Nações. Afonso da Costa permaneceu em Paris até morrer, em 1937.


Publicado por CVS às 20:10
| Comenta |

Fernando Pessoa

 

Fernando António Nogueira Pessoa, poeta e escritor português nascido a 13 de Junho de 1988, é considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa. Cresceu na África do Sul a partir dos seus sete anos. Das quatro obras que publicou, três delas são em inglês. Durante a sua vida, actuou também no Jornalismo, na Publicidade, no Comércio e principalmente na Literatura.

Fernando Pessoa morreu de cirrose hepática aos 47 anos, a 30 de Novembro de 1935, na cidade onde nasceu (Lisboa). A sua última frase, antes de morrer foi:  
“I know not what tomorrow will bring… " ("Não sei o que o amanhã trará").
 
Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples.
Tem só duas datas - a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus.

 



Publicado por CVS às 19:56
| Comenta |

Menu

 

 

Post's Recentes

Egas Moniz

Teófilo Braga

Afonso Augusto e Costa

Fernando Pessoa

Arquivo

Janeiro 2010